sexta-feira, 18 de abril de 2014

Seremos no Futuro, os Deuses Astronautas de Kepler-186F?

Astronauta Maya


Por Gério Ganimedes

Utilizando-se de uma poderosa ferramenta óptica espacial – o Telescópio Espacial Kepler, da Agência Espacial Norte Americana (NASA), astrônomos descobriram o primeiro planeta com dimensões aproximadas da Terra, orbitando uma estrela na chamada "zona habitável", distância confortável de sua estrela que possibilita ter água no estado líquido. A descoberta do Kepler – 186F confirma a existência de planetas do tamanho da Terra, em zonas habitáveis, ou seja, distâncias seguras de suas estrelas, como a nossa, em relação ao sol. De acordo com os cientistas da NASA, a descoberta do planeta Kepler-186F é um grande passo na incansável e árdua busca para descobrir planetas semelhantes ao nosso. Segundo estimativas  e cálculos astronômicos o Kepler-186F é maior que a Terra, entretanto no que se trata de massa e densidade, estes valores ainda são desconhecidos dos cientistas. Como resultado da observação astronômica, cientistas concluíram que a órbita de Kepler-186F é de 130 dias (1 ano Kepleriano), ou seja, Kepler leva 130 dias para dar uma volta completa em sua estrela. Sua estrutura, baseada nas observações e pesquisas, é pensada em ser rochosa existindo grande possibilidade de ter água no estado líquido. Kepler-186f orbita uma estrela anã que está a cerca de 500 anos-luz da Terra e localiza-se na constelação de Cygnus ou Cisne.

Concepção artística do planeta Kepler-186F
Crédito: NASA Ames/SETI Institute/JPL-Caltech

Mundos como o planeta Kepler-186F, já estão entrando na mira da evolução tecnológica humana e poderão num futuro distante ser o alvo de missões tripuladas de reconhecimento ou colonização. Imagine uma espaçonave construída com tecnologia extremamente avançada, viajando próximo da velocidade da luz e chegando a seu objetivo, como por exemplo, o planeta Kepler-186F. O que poderemos encontrar lá? Penso que aqueles “antigos astronautas” que aqui estiveram, pensaram o mesmo, antes de saírem em suas viagens rumo ao desconhecido, podendo ao chegar aqui, ter encontrado um planeta selvagem e inóspito. Penso que, diferente das teorias de seres extraterrestres conquistadores e destruidores, quem nos visitou por ser evoluído, assim o fez na Terra, unicamente com a missão de colonizar, no entanto pode ter encontrado um planeta habitado por dinossauros e humanoides selvagens. Nossos visitantes colonizadores podem ter se deparado com um verdadeiro “safári das estepes africanas”. Por outro lado, mas numa visão ainda em tempo passado, podem eles ter encontrado aqui tribos nativas já organizadas, porém de nível intelectual e científico atrasado e igualado, as ainda hoje existentes, tribos indígenas recém descobertas que nunca tiveram contato com a civilização moderna. Que atitude estes “antigos astronautas” tiveram diante de um planeta totalmente selvagem? E se chegassem aqui hoje, qual seria a reação diante de nossa civilização?

Nave colonizadora - Galáctica

Agora vamos inverter o quadro, apontando para a “Missão Kepler-186F”. Se fosse possível hoje, tecnologicamente falando, viajar para este mundo distante, como seríamos recebidos se lá encontrássemos um mundo tecnologicamente e socialmente evoluído milhões de anos a nossa frente? Os habitantes de Kepler-186F poderiam nos confundir com uma raça extraterrestre selvagem, já que há milhares de anos agimos assim e talvez estejamos sendo observados. Nossa sociedade continua hoje, como os selvagens do passado de nossa história, matando para conquistar, destroçando para comer, guerreando e destruindo para dominar ou tomar posse. Poderemos ser recebidos “à bala” diante de nosso histórico de dominação e destruição, porque raças evoluídas a princípio agem de maneira social pacífica, no entanto, diante da chegada de uma espécie conquistadora e predadora como a nossa, poderá agir de igual para igual, repelindo o que para eles pode se tratar de uma invasão ou ameaça extraterrestre. Como numa hipótese “espelhada”, quem sabe, os possíveis habitantes deste mundo distante, podem, assim como nós estarem nos observando e talvez preparando uma missão tripulada para estar, onde muitas outras raças já estiveram.     

Eram os Deuses registrados nas paredes das cavernas
Antigos Astronautas? 


Texto: Gério Ganimedes
Colaboração: Rosana Ganimedes
Fonte da notícia: NASA

... Dedicado a minha amada e eterna paixão, Rosana Ganimedes

Gério Ganimedes
Direitos Reservados – Projeto Quartzo Azul©©

quinta-feira, 10 de abril de 2014

Gênesis – Adão e Eva Um Experimento Extraterrestre?

Michelangelo - Adão e Eva


Por Gério Ganimedes


Seguindo a linha de pensamento dos teoristas dos antigos astronautas ou deuses extraterrestres, resolvi desenvolver uma nova ideia fundamentada na possibilidade hipotética da manipulação da genética dos seres que habitavam a Terra, quando os seres divinos aqui chegaram para deixar seus herdeiros. Vou chamar este laboratório alienígena montado aqui na Terra de Projeto Adão e Eva.

Analisando as antigas escrituras sagradas, observa-se que existem diversas lacunas na Gênesis (Bíblia) e pontos críticos onde à compreensão de certas passagens torna-se difícil por parecerem faltar elementos de continuidade da espécie humana sobre a Terra ou “Paraíso”. Sendo um defensor da teoria dos antigos astronautas, aponto a vocês uma visão que talvez vá de encontro com a ideia pré-concebida por muitos sobre estas passagens das escrituras bíblicas. Na minha interpretação, Adão e Eva foram nomes dados às divisões de um grande projeto genético extraterrestre como objetivo de desenvolver os primeiros seres humanos dotados de inteligência gerados a imagem e semelhança de seus criadores, mas com o propósito de “seguirem certas regras” para a perfeita utilização dos recursos do planeta onde foram deixados para se desenvolverem. O que eu quero dizer é que neste “experimento” não existiu apenas um Adão e uma Eva, mas sim muitos Adãos e paralelamente também muitas Evas. Uma experiência alienígena que semeou o planeta Terra com seres perfeitos, inteligentes e híbridos, parte selvagem ou terrestre e parte Divina e alienígena. A hipotética divisão deste Projeto criou talvez centenas de Adãos e as Evas mantendo-os com a base do DNA alienígena celestial, gerando humanos com altura duas vezes maior a do homem moderno e com média de tempo de vida próximo dos 600 anos. Suas características foram herdadas de seus projetistas genéticos assim eram dotados de qualidades especiais, no entanto ocultas em seu DNA. Esta espécie que aqui viveu e se desenvolveu, possuía as características de semideuses, entretanto eram gerados propositalmente ignorantes de suas capacidades biológicas. Normas foram criadas para serem respeitadas sob pena de serem expulsos do “paraíso” onde foram deixados para viver. Estas “leis” para conduta serviam para que seus criadores tivessem controle total do desenvolvimento do projeto Gênesis ou Projeto Adão e Eva, mas parece que algo saiu errado quando uma outra raça alienígena interferiu no projeto, quando aqui chegou.


Na codificação usada nas antigas escrituras sagradas aparece um representante simbólico, desta raça extraterrestre perturbadora que dividiu o espaço terrestre. A serpente era o símbolo da raça reptiliana que interferiu no projeto. Assim, transgredindo os limites do Projeto Adão e Eva, esta raça de seres alienígenas “ensinou” aos humanos aqui deixados o segredo contido em sua estrutura biológica. Os reptilianos mostraram para “Adão e Eva” que eles continham em seu corpo órgãos com capacidade reprodutora da espécie e que eles poderiam ser tão poderosos como os deuses que os geraram. Conscientes de suas capacidades, o respeito ao Deus que os criou desapareceu e todo um projeto de gênesis foi modificado.  


Qual a simbologia da serpente nas escrituras sagradas? Poderia estar referindo-se a outra raça extraterrestre?

Fugindo as leis estabelecidas por seu criador, começaram a procriar e cruzar entre si, desrespeitando o aviso dado. Foi então, que este projeto genético extraterrestre perdeu o controle e a raça criada, antes pura, iniciou um processo de degeneração, criando aberrações genéticas. Com uma falsa sensação de poder divino o homem, desconhecendo o segredo de sua origem, ultrapassou os limites da reprodução da espécie e passou a reproduzir-se descontroladamente entre indivíduos da mesma descendência, ignorando o aviso. As aberrações transformaram os antes semideuses, em uma raça inferior, agressiva e promíscua. Diante da interferência desta outra raça alienígena perturbadora, iniciou-se uma grande “guerra extraterrestre” onde de um lado estava uma raça alienígena com o objetivo de levar o experimento para o abismo e do outro lado, o criador revoltado e com a necessidade de exterminar sua própria criação.  Excluindo-se poucos neste processo seletivo, alguns foram poupados da destruição, avisados por “mensageiros dos deuses”, os anjos das antigas escrituras sagradas. Estes “enviados” ou “classificadores” selecionaram e permitiram viver aqueles que ainda poderiam dar continuidade a espécie do experimento, pois neles permanecia intacto o ensinamento inicial, prevalecendo à capacidade de respeitar, sem questionar as leis impostas por seu criador.  

Destruição de Sodoma e Gomorra
Arma nuclear extraterrestre?

Sob proteção da teoria dos antigos astronautas e da gênesis do Projeto Adão e Eva, aparecem neste ponto, codificadas, às passagens bíblicas da destruição das cidades de Sodoma e Gomorra e logo a seguir o Grande Dilúvio.  


Conectado a esta hipótese pergunto: Teria acontecido um extermínio em massa com o objetivo de destruir um experimento genético que saiu do controle? E se houve mesmo um extermínio, que tipo de arma extraterrestre aniquilou este projeto genético?  

Continua...

Texto: Gério Ganimedes
Colaboração: Rosana Ganimedes

Dedicado ao meu eterno amor, Rosana Ganimedes

Gério Ganimedes
Direitos Reservados – Projeto Quartzo Azul©©


domingo, 30 de março de 2014

Anomalia Fotografada da ISS?

 Foto tirada na apresentação do Planetário de Brasília
Correio Braziliense - Veja a reportagem AQUI 

Foto de uma animação apresentada pelo Planetário de Brasília, feita em computação gráfica, torna-se "anomalia" e "disco" sobre a Terra


Por Gério Ganimedes

Imagens mal interpretadas e com suposições sem base fundamentada só causam confusão e polêmica, tanto no meio científico como ufológico.  Está parecendo a velha brincadeira do "telefone sem fio". Desta vez, um “espertalhão” subestimando a inteligência de ufólogos e astrônomos mais atentos e experientes, produziu um vídeo com uma simples foto retirada do site do Planetário de Brasília na web, onde segundo ele um “disco” ou “anomalia” na Terra, teria sido registrado do espaço pelas câmeras da ISS (Estação Espacial Internacional).

Foto ilustrativa do site do Planetário de Brasília
Visite o site AQUI

Veja na foto acima a silhueta do projetor especial usado pelo planetário

A "nuvem" branca próxima ao centro do disco, é na verdade parte do efeito especial 
no ponto de impacto. Os raios que se abrem do centro para fora com pontos incandescentes,
fazem parte do efeito criado por computador na animação apresentada. 


Na verdade a foto utilizada no vídeo, e que também ilustra o site do Planetário de Brasília, foi tirada durante a apresentação de um vídeo, na semana de reabertura do planetário da cidade em dezembro de 2013. A foto tirada é da cena do impacto de um imenso meteoro na superfície do planeta, mais precisamente, logo após a explosão criada pelo choque do meteorito contra o oceano, por isso um círculo de expansão branco aparece por fora, enquanto no centro, fica uma região mais escura com pontos de cor laranja, na verdade o fogo da fusão causado pelo choque da rocha espacial contra o planeta. Veja o vídeo abaixo apresentado pelo SBT de Brasília.


Veja a reportagem com parte da apresentação AQUI

Em alguns sites chegaram ao cúmulo de associar um autor responsável pelo vídeo ou fotografia (cientista, astronauta, etc), no entanto tudo não passa de interpretação errada, videos falsos, fotos montadas e notícias mal traduzidas, disseminadas sem sequer pesquisar a fonte da informação. Então, a "Anomalia" ou "Disco" que aparece no vídeo ou foto, trata-se apenas da parte de uma animação em computação gráfica apresentada pelo Planetário de Brasília. 

Fiquem bem

Texto, pesquisa e análise: Gério Ganimedes.
Colaboração especial: Rosana Ganimedes
Fontes: Correio Braziliense, Planetário de Brasília, Youtube e SBT.

Gério Ganimedes
Direitos Reservados – Projeto Quartzo Azul©© 


sexta-feira, 28 de março de 2014

Análise da Foto Original do Óvni de Pirituba em São Paulo

Crédito: Igor Cerrutti
Óvni de Pirituba - zona oeste de São Paulo


Por Gério Ganimedes


Após a postagem sobre o óvni registrado em Pirituba, zona oeste de São Paulo, apresentada aqui no Projeto Quartzo Azul, Igor Cerrutti, autor da fotografia apresentada na reportagem do programa Balanço Geral (R7), entrou em contato conosco, vindo a colaborar com nossas pesquisas, fornecendo-nos a foto original do objeto registrado por sua câmera. Logo que recebi a fotografia iniciei uma série de análises, fazendo além de ampliações e refinamentos digitais, uma comparação com outros óvnis registrados em outras partes do mundo, para tentar identificar algo semelhante ao registrado por Igor C. Para minha surpresa, encontrei um registro gravado em vídeo, feito em Michigan nos EUA, em 27 de outubro de 2013 que se assemelha muito com o óvni de Pirituba. Resta saber se estamos diante de algum novo tipo de “Drone” (veículo voador sem tripulante, guiado por controle remoto) ou algum tipo de aeronave ainda não identificada (terrestre ou extraterrestre).  Abaixo a foto enviada por Igor C. com análise detalhada, ampliação e análise comparativa com o óvni do vídeo de Michigan.

Postagem anterior: Leia AQUI
Assista ao vídeo do óvni de Michigan AQUI

 Ampliação fornecida por Igor Cerrutti

Ampliação digital - Gério Ganimedes

Análise Comparativa dos Óvnis

 Imagem extraída do vídeo

 Imagem extraída do vídeo

Imagem extraída do vídeo

Texto e análise: Gério Ganimedes
Colaboração especial: Igor Cerrutti
Colaboração de pesquisa: Rosana Ganimedes
Fonte/créditos do vídeo: Youtube/Research4Truth12
Créditos da foto: Igor Cerrutti

Agradecimentos especiais ao leitor Igor Cerrutti por sua atenção especial e colaboração.
  
"... Dedicado a minha amada e querida esposa Rosana Ganimedes que mesmo distante, está sempre 
presente em minha vida".

Gério Ganimedes
Direitos Reservados – Projeto Quartzo Azul©©

sexta-feira, 21 de março de 2014

Fenômenos Astronômicos – Lua de Sangue ou “Blood Moon”


A foto acima foi obtida por Gério Ganimedes no dia 12 de fevereiro de 2012, através das lentes do obturador digital de uma câmera Canon de 8 MP em ajuste de longa exposição. A coloração avermelhada da Lua nesta foto, a título de exemplo, é a mesma do evento da "Lua de Sangue", mesmo não estando ainda cheia, e marcada no calendário de eventos astronômicos. 



Por Gério Ganimedes


"Apareceu no céu deslumbrante, contrastada pela túnica negra e aveludada da noite, vestida com uma singular e atípica cor âmbar, como se lavada de sangue". 

Questionado por leitores, sobre uma matéria que circula pela malha da Internet, que fala das “sinistras Luas de Sangue” ou Luas Vermelhas, segui minha linha de pesquisa tradicional para tentar explicar aos meus leitores, através de uma linguagem mais simples, o fenômeno que para alguns tem um significado ruim e de maus presságios. Ao longo da história os astros receberam títulos relacionados a acontecimentos históricos, deuses da mitologia, etc. A lua não poderia ficar para trás, e passou a receber nomes como “Lua Azul ou Blue Moon” (que é quando ocorrem duas luas cheias em um mesmo mês). Este tipo de designação é muito difundido nos EUA, Canadá e Europa. Outros nomes que nosso satélite natural recebeu, tem ligação com os meses do ano ou as estações (veja Tabela 1 logo abaixo) relacionados também com períodos de plantio e colheita. Um dos nomes mais famosos da nossa lua é “Lua do Caçador”. É a lua cheia, imediatamente após outra, que é a lua cheia que ocorre mais próxima do equinócio de outono. A “Lua do Caçador” é também chamada às vezes de “Lua de Sangue”. Aqui aparece o termo, que está diretamente ligado à condição astronômica e atmosférica. Por estar muito próxima a linha do horizonte e manter uma relação mais íntima com o observador, ela destaca-se no firmamento noturno por refletir mais as nuances avermelhadas do sol, que recém se pôs. Esta coloração avermelhada está também associada às condições atmosféricas modificadas por um tempo seco e quente.
  
Blood Moon – Lua de Sangue
Crédito/foto: FRASER CAIN – Universe Today


Antes do advento da eletricidade, os agricultores usavam a luz da lua cheia para fazerem o trabalho de colheita e plantio. Durante o período de lua cheia, eles podiam dedicar-se a fazer sua colheita de outono. Um mês depois deste período, acontece o evento chamado “Lua de Sangue”, ou "Lua do Caçador - Hunter's Moon (quadro abaixo)", período em que os caçadores saiam em grupo para abater aves migratórias na Europa, e também para estocarem seus alimentos para o inverno.

A lua cheia ocorre a cada 29 dias e meio, assim, uma “Lua de Sangue” ocorre cerca de um mês após a última lua cheia. A “Lua de Sangue” nada mais é do que uma lua cheia normal.

Tabela 1
Crédito: Wikipédia
No Brasil estes nomes são pouco difundidos


Durante os eventos de lua cheia a lua pode ficar 10% maior e 30% mais brilhante, mas isso, devido a sua maior ou menor distância da Terra. A “Lua de Sangue” na verdade ficará realmente vermelha, quando combinada com um eclipse lunar. Lembrando que eclipses lunares ocorrem duas vezes por ano, “Luas de Sangue” associadas aos eclipses lunares ocorrerão a cada seis anos ou mais.

Com relação à parte mística, mau agouro ou presságios de eventos religiosos (apenas a título de curiosidade) as Luas de Sangue estão relacionadas a profecias bíblicas.  O que achei de mais significativo deste evento astronômico, ligado às profecias, conecta-se ao nome de dois pastores cristãos (Mark Blitz e John Hagee). Hagee parece ter popularizado o termo Lua de Sangue, através de seu livro de 2013 “As 4 Luas de Sangue – Algo está prestes a mudar” onde aparece também o termo “tétrade” que significa, a ocorrência de quatro eclipses lunares totais e sucessivos, cada um, separado do outro, por seis meses lunares, ou seja, seis luas cheias. Claramente, no conteúdo pesquisado, o tema adentra estudos bíblicos, avançando por uma área em que o Projeto Quartzo Azul restringe-se a falar ou expor maiores idéias e pensamentos, por fugir do conteúdo proposto, portanto, me manifestarei apenas quanto ao fenômeno na visão astronômica, que a meu ver, nada tem de ruim, ou contém qualquer tipo de aviso apocalíptico. Apenas para citar números que aparecem nas pesquisas, no século 21 (entre 2001 e 2100) acontece um total de oito tétrades.  A última tétrade ocorreu em 2003 e 2004, e os próximos acontecerão em 2014 e 2015. Sendo ou não estes fenômenos astronômicos avisos de acontecimentos trágicos e apocalípticos, me reservo a não comentar, mesmo porque, não sou nenhum profeta ou adivinho, além do mais a astronomia é uma ciência sustentada por alicerces acadêmicos, não me permitindo contaminá-la com previsões místicas e religiosas.

Fiquem bem

Texto e pesquisa: Gério Ganimedes
Colaboração Especial: Rosana Ganimedes

Dedicado a minha amada e querida esposa, Rosana Ganimedes.

Gério Ganimedes
Direitos Reservados – Projeto Quartzo Azul©©




quinta-feira, 20 de março de 2014

Naves com Formato Triangular e de Grandes Dimensões Invadindo o Espaço Aéreo Americano Durante Conferência de Cientistas na Busca por Vida Extraterrestre


 Edição de Imagem: Gério Ganimedes
Vaticano em Busca por Vida Extraterrestre


Por Gério Ganimedes


Ohio, Estados Unidos da América, 19 de marco de 2014 - Testemunhas apresentam relatos detalhados de um avistamento de óvnis triangulares imensos deslocando-se a baixa altitude e com o comprimento de um porta-aviões, mais parecendo “um cargueiro deslocando-se no céu”. Outras testemunhas na Califórnia entre o dia 18 e 19 de março, também relataram terem visto objetos triangulares com as mesmas características e tamanho considerável, apresentando uma espécie de camuflagem transparente. Os avistamentos foram registrados no MUFON (Mutual UFO Network) e divulgados no UFO Examiner. Estes veículos parecem ter atravessado o continente americano e podem ser os mesmos avistados em estados diferentes. Coincidentemente esta semana, cerca de 200 cientistas com participação de membros do Vaticano, estão reunidos numa conferência em Tucson no Arizona, co-sediada pelo Observatório da Universidade de Steward, com o tema: “Busca por Vida Além do Sistema Solar”. 


considerando-se a hipótese de que os objetos relatados na Califórnia e em Ohio sejam os mesmos, e estando a sede da conferência localizada exatamente no meio da trajetória destes óvnis, pode-se dizer que eles sobrevoaram a região do encontro dos cientistas. Seria esta “conferência” um disfarce para um encontro do mesmo tipo do filme “Contatos Imediatos de Terceiro Grau”?  

Não é de agora que o Vaticano preocupa-se com este assunto, e o lugar escolhido para o encontro dos cientistas é bastante sugestivo.

  

Texto: Gério Ganimedes
Colaboração: Rosana Ganimedes


Gério Ganimedes
Direitos Reservados – Projeto Quartzo Azul©©


terça-feira, 18 de março de 2014

Quantos Universos Foram Criados Pela Grande Explosão ou Big Bang?

Teoria dos Universos Paralelos
na visão de Gério Ganimedes

Por Gério Ganimedes


Através da teoria dos universos paralelos, da qual sou defensor e teórico, divago entre fórmulas e idéias, questionando: Quantos universos foram criados no momento da grande explosão? Podemos estar falando de vários, e porque não? No momento mágico da criação de tudo, mundos, limites, energia e tempo foram gerados como uma vida no útero feminino. A vida adapta-se, recria-se, expande-se e nada é único. Veja por exemplo uma mulher que dá a luz a seis bebês ao mesmo tempo, então porque não foi possível no momento do BIG BANG, que múltiplos universos tenham sido criados e estão crescendo em frações de tempo diferentes, contudo paralelamente? Penso que como uma grande célula humana um universo desenvolve-se e tem uma anatomia semelhante, porém estados energéticos diferentes. Uma célula humana é delimitada por uma fina membrana, tem núcleo e componentes fantásticos que mantém a vida e todo o equilíbrio da estrutura celular. Assim um universo, na minha visão, também tem um núcleo ou centro, toda a complexidade de planetas, estrelas, buracos negros, matéria escura e também uma fina membrana que o separa de outro, mantendo o equilíbrio perfeito de sua estrutura “viva”. Seguindo meu raciocínio, logo após esta membrana, assim como um tecido celular, da nossa pele e órgãos, por exemplo, estão outras células, ou universos vivendo independentemente, no entanto ligados infinitamente desde sua criação. O que não podemos ainda creio eu, é olharmos através das lentes, portais ou canais que dão visão destes outros universos que nos rodeiam. É possível que venhamos a descobrir, durante nossa evolução, que estas membranas sejam permeáveis e que possibilitem de alguma maneira sua travessia. Assim como a membrana de um óvulo, permite a travessia do espermatozoide no processo de reprodução humana.  


Ocupamos uma pequena célula deste imenso tecido celular cósmico, e carrego comigo a certeza de que algumas concepções e desenhos desta possibilidade muito em breve serão descobertas. Viajar no tempo, atravessar dimensões, saltar de um universo para outro, idéias talvez avançadas demais para nossa época diante de tecnologias ainda limitadas, no momento o que temos como veículo de transporte é nossa mente, nossa imaginação e teorias que penso que devem ser respeitadas, assim como uma religião. Cito aqui com respeito, em especial para esta minha exposição, os membros da doutrina espírita, onde aqueles que desenvolvem o que o espiritismo chama de mediunidade (capacidade de comunicar-se com os espíritos que desencarnaram, ou em outras palavras deixaram o corpo físico, ou morreram). De maneira educada e respeitosa, relaciono esta capacidade humana experimentada pelos mais evoluídos dentro do espiritismo, com uma possível capacidade de comunicar-se com um outro universo, que existe paralelamente ao nosso, mas que não pode ser visto ou atravessado com este corpo físico ou estrutura da qual somos constituídos. 

Livro de Michio Kaku
Mundos Paralelos
Deslocando-se numa via contrária ao pensamento de muitos, no entanto ao lado de outros que defendem idéias semelhantes (como no livro de Michio Kaku), acredito que talvez, em frações de segundos todos nós já tenhamos percebido em algum momento de nossa vida, a existência de outros universos, através de sensações de “dejavu”, visões inexplicáveis, aparições de luzes, naves e até mesmo de seres com estrutura diferente da nossa. Somos parte de um universo dito como infinito, contudo, dentro de uma concepção humana limitada pelas barreiras do conhecimento. Quanto distante estamos da fronteira final? Onde está a membrana tênue que nos separa dos outros universos? Estamos apenas no início desta jornada fantástica, que tem como vias de acesso canais de energia, feixes de luz, buracos de minhoca, buracos negros e outras estruturas que ainda nem conhecemos, mas que fazem parte de um conjunto equilibrado e perfeito criados por Deus. Quem nunca ouviu ou leu esta frase: “Na casa de meu pai, há muitas moradas”?

Fiquem bem

Texto: Gério Ganimedes
Colaboração: Rosana Ganimedes

Gério Ganimedes
Direitos Reservados – Projeto Quartzo Azul©©

domingo, 16 de março de 2014

Tecnologia para Encontrar uma Agulha num “Palheiro”

Boeing 777
  
Por Gério Ganimedes


Não vimos nenhum OVNI no radar” dizem os operadores de radar, quando são questionados numa investigação informal sobre avistamentos de OVNIS próximos aos aeroportos. E eu acredito neles. Não viram mesmo! Uma tecnologia “jurássica” que não consegue encontrar um avião de vôo comercial como o Boeing 777, da Malaysia Airlines equipado com o que há de mais moderno em se tratando de dispositivos eletrônicos, para determinar a posição da aeronave em vôo, não consegue encontrar nem ver nada em lugar algum. No entanto, se utilizassem a tecnologia de espionagem existente, para fins humanos e não apenas para a guerra, com certeza já teriam encontrado a “agulha no palheiro”. 


Cabine de um Boeing 777

Falar de seqüestro extraterrestre, abdução alienígena, fenda temporal, dobra no tempo e outras teorias conspiratórias, sobre o “sumiço” do vôo da Malaysia Airlines, é um tanto arriscado e prematuro. Deixo nesta postagem, uma resposta aos questionamentos que recebi por e-mail, sobre qual minha opinião sobre este incidente. Tenho uma ideia um tanto reservada sobre este caso, que no meu ver, com base em uma tecnologia de rastreamento "falha e ultrapassada" (no uso comercial / militar e secreto é outra história), prejudicada por fatores adicionais, como intenso tráfego aéreo, tempo instável, interferências atmosféricas e uma área terrestre incomensurável para controlar (espaço aéreo), eu não vejo nada além de “interferência humana” como a grande responsável pelo incidente, que está deixando famílias abaladas e a uma população perdida em busca de explicações coerentes com nossa realidade. Antes de partirmos rumo ao desconhecido, devemos esgotar totalmente nossa bagagem de argumentação científica para analisar com cuidado todos os fatos apresentados.   

 Fiquem bem

Texto: Gério Ganimedes
Colaboração: Rosana Ganimedes

Gério Ganimedes
Direitos Reservados – Projeto Quartzo Azul©©

quinta-feira, 13 de março de 2014

A Inteligência e Expansão da Consciência Humana Estão Limitadas pelo Ceticismo e Egocentrismo do Homem Atual

Pôr-do-sol do Guaíba em Porto Alegre/RS 


Por Gério Ganimedes


Permitir-se acreditar na vida além das fronteiras da Terra, deixar a mente evoluir e expandir em direção as fronteiras do universo tornou-se uma tarefa difícil para a mente de muitos, que preferem limitar-se por seu ceticismo e egocentrismo. Muitos pensam e argumentam: Para que, pensar naquilo que não muda em nada minha vida e não me permite ganhar mais? Já escutei isso acredite. Partindo-se deste raciocínio ultrapassado podemos entender o porquê do ironismo gerado diante deste tema. No entanto, no passado quando os extraterrestres aqui chegaram (acredito e defendo esta visitação) com toda certeza foram acreditados, louvados e tornaram-se até mesmo Deuses como defende com ótimos argumentos o escritor Erik Von Daniken. Com toda certeza foi muito mais fácil para um Leonardo da Vinci ou um índio Maia, acreditar em vida fora da Terra do que um cientista da atualidade. A mente do homem parece ter criado barreiras convenientes para não aceitar o que já existe há muito tempo.  Tenho total certeza de que se eu sentasse para conversar com Nostradamus, falaríamos por horas seguidas sobre as visitas extraterrestres a Terra, não importando o ícone simbólico adotado por cada geração, para estes seres do cosmos.  O conceito de evolução mudou. O homem cresce na teoria científica, padrões, fórmulas e conceitos, no entanto regride de forma preocupante, quando se trata de mente e espírito.


Já escrevi anteriormente, no início de meu trabalho neste projeto e repito aqui nesta postagem: “Num mundo distante nossa existência, também questionada, está refletida nos olhos dos que contemplam o firmamento”.  Com certeza, povos de outros planetas também observam seus céus noturnos, contemplando e imaginando quanto à vida já evoluiu aqui, muito além das suas fronteiras planetárias?  O que eu mais questiono é porque muitos não conseguem atingir uma barreira tão tênue? Respondo: Porque é muito mais fácil entrar numa loja e comprar um televisor de última geração sem se preocupar com a vida, sua origem, sua conservação e evolução. Porque preocupar-se com o que está lá fora, se tudo que o homem precisa está aqui dentro?

Infelizmente, para que aconteça uma mudança nesta linha de pensamento e consciência, o homem terá de ficar diante de um abismo sem saída, uma crise existencial planetária de nível destrutivo, ai então, quem sabe, suas preocupações e projeções de consciência mental e espiritual, avançarão rumo à sobrevivência e para quem sabe evoluirmos verdadeiramente. A tão falada missão Marte da NASA é apenas a parte física da evolução de certos grupos científicos, que começaram a preocupar-se com a sobrevivência da espécie. Então pergunto: Porque não acreditar na existência de espécies evoluídas que já o fizeram vindo para cá no passado, estudando nosso paraíso, e estão fazendo o mesmo hoje ou quem sabe amanhã.  Abra a mente para derrubar a muralha do egocentrismo e do ceticismo, só assim evoluiremos rumo a nossos irmãos das estrelas, só assim faremos o tão esperado CONTATO.


Texto: Gério Ganimedes

Dedicado ao meu anjo inspirador e amor eterno, Rosana Ganimedes e a todos aqueles que também acreditam que não estamos sozinhos.

Gério Ganimedes
Direitos Reservados – Projeto Quartzo Azul©©

quarta-feira, 12 de março de 2014

Ovni Registrado em Pirituba – São Paulo



Crédito: R7 - Balanço Geral

Casuística OVNI registra um aumento considerável de aparições de luzes misteriosas no céu do Brasil durante o verão de 2014


Por Gério Ganimedes


Segundo reportagem apresentada por Luiz Bacci no programa da rede Record de televisão, Balanço Geral um objeto voador não identificado foi filmado e fotografado em Pirituba, zona oeste de São Paulo.  A primeira vista parece apenas mais uma luz no céu da cidade, no entanto após ampliação da fonte luminosa, temos um objeto que merece nossa atenção.

A reportagem completa do R7 você pode ver AQUI

Observação: O vídeo gravado e a foto aparecem a partir dos 40 minutos da reportagem.

De acordo com levantamento feito, através dos formulários de contato, recebidos pelo Projeto Quartzo Azul e enviados por leitores, as regiões de Santa Catarina, Rio Grande do Sul, São Paulo, Mato Grosso do Sul e Minas Gerais tem adicionado uma contagem bastante positiva de eventos misteriosos no céu. No dia 3 de março de 2014 às 19h30min estávamos retornando do Gasômetro, Rosana e eu quando avistamos uma esfera de luz muito brilhante atravessando os céus de Porto Alegre, cruzando o firmamento de norte para sul. O brilho intenso e de coloração âmbar para amarelo chamou nossa atenção. O Objeto não emitia nenhum som, deslocava-se rapidamente e apesar da grande altitude, tinha dimensões consideráveis. O que observamos é que o objeto variava sua velocidade, não tinha luzes características de sinalização aérea e não se parecia com nenhuma aeronave convencional. Descartei a possibilidade de cruzamento na atmosfera da Estação Espacial Internacional, justamente pela variação de velocidade e também da altura, pois parecia aumentar e diminuir. Há poucas semanas atrás um outro caso de registro de atividade óvni ocorreu na região do ABC paulista mais precisamente em São Bernardo do Campo (gravado por Carla), conforme postagem apresentada aqui no Projeto Quartzo Azul e que também ganhou a atenção da mídia e foi mostrado na televisão pelo mesmo programa Balanço Geral, através do apresentador Luiz Bacci.

Crédito: R7 - Balanço Geral

Observe que na foto ampliada, através de software específico, utilizado pela equipe do R7, o objeto mais se parece com um “cargueiro” (observação da primeira dama do PQA – Rosana Ganimedes). Sabemos que os céus de São Paulo, são constantemente decorados com balões, e pipas com LED, entretanto este parece emitir muita luz e ter um formato bastante incomum.  Aproveitando a oportunidade, se esta postagem chegar até o fotógrafo Igor Cerrutti, que aparece na entrevista do programa Balanço Geral, gostaria muito de receber a foto através do e-mail gerio.ganimedes@gmail.com para que eu possa aplicar outros programas de ampliação e minha própria análise digital para uma postagem posterior mais detalhada deste objeto.  


Crédito: R7 - Balanço Geral
Edição: Gério Ganimedes

Balões, pipas equipadas com LED ou OVNIS? Os equipamentos que registram os fenômenos estão cada vez mais sensíveis e com maior resolução digital, então, dizer que são balões torna-se uma explicação um tanto ultrapassada e ridícula para casos que estão aumentando de número, tamanho e definição.

Texto: Gério Ganimedes
Colaboração: Rosana Ganimedes
Créditos: R7 – Balanço Geral / Luiz Bacci

Gério Ganimedes
Direitos Reservados – Projeto Quartzo Azul©©

quinta-feira, 6 de março de 2014

Quando o Segundo Sol Chegar... Não Tenho Mais Dúvida - Eu Vi!

 Segundo Sol – Foto/crédito: Rosana Ganimedes
Ao centro Gério Ganimedes, à esquerda, o segundo Sol, à direita o Sol
Rio Guaíba – Gasômetro – Porto Alegre / RS


Por Gério Ganimedes


Argumentado ferozmente por muitos céticos, como em se tratando apenas de reflexo do sol nas nuvens, aberração óptica de câmeras digitais, ou distorções cromáticas causadas pela atmosfera da Terra, um brilho “muito misterioso” tem aparecido seguidamente durante o registro do pôr-do-sol em diversas partes do planeta, obtido pela câmera de centena de observadores, no entanto agora, o evento foi registrado pela câmera dos administradores do Projeto Quartzo Azul, Rosana e Gério Ganimedes. Observamos o evento durante o pôr-do-sol do dia 3 de março de 2014 na beira do Guaíba, mais precisamente no Gasômetro, ponto de referência turística de Porto Alegre - Rio Grande do Sul.

Rio Guaíba - Gasômetro - Porto Alegre / RS
Foto/crédito: Rosana Ganimedes

As fotos foram obtidas através da câmera de um celular, que mesmo sendo de baixa resolução, mostram claramente mais uma aparição do “segundo sol” que parece aproximar-se lentamente de nosso sistema solar.  Antes este “evento” parecia desacreditado, por ser pensado como truques ou efeitos ópticos propositais para causar polêmica entre os sites dedicados a este tipo de assunto ou fenômeno, no entanto, quem vê a aparição a olho nu não tem mais dúvidas, de que se trata de algum corpo celeste que emite luz e calor e que está presente no firmamento. Na foto principal da postagem, obtida pela câmera do celular da primeira dama do PQA - Rosana Ganimedes, eu apareço no centro da fotografia, onde claramente, do lado esquerdo podemos observar o “segundo sol” e a direita o nosso sol. Por mais que eu tenha que me limitar dentro das “regras” da física e da astronomia, posso dizer com toda a certeza, mesmo sendo alvo do ceticismo científico, de que algo está lá, e não é apenas um reflexo cromático. Acredito que a posição variada do massivo registrado pelo Projeto Quartzo Azul, no dia 22 de agosto de 2011, seja conseqüência de sua órbita de aproximação, somada às outras variáveis de rotação, translação e órbita terrestre. O evento merece muita atenção e conta com os comentários dos leitores, para que juntos, atinjamos um ponto de equilíbrio para rastrear o corpo celeste que se aproxima ou nos cerca.

Rio Guaíba - Gasômetro - Porto Alegre / RS
Foto/crédito: Rosana Ganimedes



Para colaborar com a postagem, nossa leitora Tânya Silva A. enviou um link interessante com imagens semelhantes registradas em outras localizações

Veja o vídeo AQUI



Texto: Gério Ganimedes
Fotos e participação Especial: Rosana Ganimedes em Porto Alegre / RS

Dedicado ao meu eterno amor ... Rosana Ganimedes


Gério Ganimedes
Direitos Reservados – Projeto Quartzo Azul©©


LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...