sexta-feira, 10 de agosto de 2012

Arca da Aliança – Caixa Sagrada ou Rádio de Comunicação dos Deuses?

crédito: www.empireonline.com


PQA Retro


Por Gério Ganimedes


Desde que iniciei as pesquisas sobre este “Artefato” ou “Caixa sagrada”, percebi que as ilustrações e réplicas tão ornamentadas, deste “dispositivo milenar”, parecem mostrar uma versão apenas simbólica, do poderia perfeitamente ser uma unidade receptora, e quem sabe transmissora para que os “escolhidos” ou decendentes dos “Deuses”, entrassem em contato com suas origens em outro mundo. Porque não?  Um rádio cósmico e potenre, um gerador de vórtice, criador de um portal multidimensional. Um engenho extraterrestre “Divino” na Terra. Interpretado em ilustrações e pinturas como uma bela caixa torneada e ornamentada com seres alados feitos de ouro, mas seria esta, a sua forma e tecnologia original? Não estaria escondendo dentro da própria arca o verdadeiro dispositivo de comunicação?

E quem poderia usar este intercomunicador cósmico? Aqueles que contém o DNA puro,  a marca deixada pelos “Deuses” que desceram do céu em suas carruagens de fogo? Em muitos registros encontrados, é afirmado que apenas um ser puro pode tocar a Arca sob o risco de ser vaporizado pelo objeto. Ou seja, “puro” pode ser um filho dos “Deuses”, um híbrido que possui as características humanas e divinas.

A Arca é descrita na Bíblia como o objeto em que as tábuas dos Dez mandamentos e outros objetos sagrados teriam sido guardados, como também veículo de comunicação entre Deus e seu povo escolhido. Ora, se é um veículo de comunicação, é um rádio ou um equipamento que abre uma porta de comunicação. Poderíamos estar diante de um dispositivo inteligente movido por uma tecnologia e fonte de energia totalmente desconhecida e inimaginável. Este poder e esta força já foram cobiçados por inúmeras potências políticas em vários períodos da história da Terra. Os alemães no período da segunda grande guerra mundial – desenvolveram equipes científicas e “esotéricas”, que estudavam as forças ocultas e este artefato, em particular, não apenas como já mostrados em filmes, estava no topo de sua lista de buscas. As forças nazistas tinham a Arca da Aliança como um de seus alvos, para ter o poder maior.

E qual a descrição encontrada nos escritos antigos sobre este artefato? Arca da Aliança seria uma caixa com tampa de madeira de acácia, com um metro e onze centímetros de comprimento, sessenta e seis centímetros e seis milímetros de largura e altura. Coberta de ouro puro por dentro e por fora, com uma bordadura de ouro ao redor. Para seu transporte foram colocadas quatro argolas de ouro nas laterais, onde foram transpassadas as varas de acácia recobertas de ouro. Assim, o objeto podia ser carregado pelo povo nômade da época. Sobre a tampa, chamada Propiciatório "o Kapporeth", foi esculpida uma peça em ouro, formada por dois querubins ajoelhados de frente um para o outro, cujas asas esticadas para frente tocavam-se na extremidade, formando um arco, de modo defensor e protetor. Eles se curvavam em direção à tampa em atitude de adoração (Êxodo 25:10-21; 37:7-9). Segundo relato do verso 22, Deus se fazia presente no propiciatório no meio dos dois Querubins de ouro em uma presença misteriosa que os Judeus chamavam Shekinah ou presença de Deus. Somente os sacerdotes levitas, poderiam transportar e tocar na arca, e apenas o sumo-sacerdote, uma vez por ano, no dia da expiação, quando a Luz de Shekiná se manifestava, entrava no santíssimo do templo. Estando ele em pecado, morreria instantaneamente.

A história nos mostra que tanto na Bíblia quanto nos filmes da série "Indiana Jones", a Arca da Aliança é o símbolo supremo do poder do Deus de Israel, derrubando as muralhas das cidades inimigas, causando epidemias entre povos pagãos e fulminando os mortais que ousam tocá-la. Os historiadores e arqueólogos modernos ainda não conseguiram determinar o paradeiro da Arca, se é que o objeto ainda existe, mas a grande ironia é que, ao que tudo indica, o artefato incorporava características originalmente pagãs, da época em que os israelitas não adoravam um deus único.

 Crédito: Wikipédia

A Arca representava o próprio Deus entre os homens. A crença de Sua presença ativa fez com que os hebreus, por várias vezes, carregassem o objeto à frente de seus exércitos nas batalhas realizadas durante a conquista de Canaã. Segundo a Bíblia, a presença da Arca era suficiente para que pequenos contingentes hebreus aniquilassem exércitos cananeus inteiros, mas quando a dispensavam, sofriam derrotas desastrosas. Ainda restava o assentamento das sete Tribos de Israel na Terra de Canaã para que a conquista estivesse completa, quando Josué determinou a construção de um Tabernáculo permanente na cidade de Siló, onde a Arca ficaria protegida.

E Quem Guarda e Onde Estaria Escondido Tal Artefato Divino?

Com base em antigos escritos judaicos, alguns têm sugerido que a Arca está escondida no Monte Nebo na margem leste do Rio Jordão. Este local está atualmente dentro da nação da Jordânia, entretanto com nenhum indício da presença da Arca. Outros sugerem que a Arca está escondida em algum lugar perto do Mar Morto, na margem oeste do Jordão. Este local é considerado geralmente, em associação, com o antigo local do povo do Mar Morto. Neste local, acreditasse, que a Arca e outros artefatos estão enterrados em uma das cavernas da região, assim como os Manuscritos do Mar Morto e os “Tablets” como aqui já postado em outra oportunidade. Clique aqui para a Postagem do Projeto Quartzo Azul

Entre as várias correntes de teorias e visões sobre a Arca da Aliança temos, o que sugere que a Arca está localizada abaixo de Jerusalém, em um túnel de pedra esculpida. Alguns dizem que o local exato seria no monte da crucificação, o Calvário de Gordon. O Instituto do Templo na Cidade Velha de Jerusalém, uma organização ultra-ortodoxa dedicada à reconstrução do templo judeu, diz que a Arca está sob o monte do templo e será revelada no momento adequado, quando o templo for reconstruído.

Curiosamente, a tese dos "Caçadores da Arca Perdida", de que a Arca foi retirada do Templo, pelo faraó egípcio Sisaque, não é uma visão popular hoje. Isto pode ter sido devido, à falta de tradições sugerindo a presença da Arca, na foz do Nilo, no Baixo Egito.



Muitas teorias surgiram com o passar do tempo mas uma parece não ter ganho a devida atenção. No livro "Sign and the Seal: The Quest for the Lost Ark of the Covenant".  pelo jornalista britânico Graham Hancock, quase alcançou status de best-seller e capturou a imaginação do público em geral. Segundo essa visão, a Arca da Aliança foi levada de Jerusalém na época do rei Salomão. Embora existam inúmeras variações da história, as linhas centrais transportam o foco histórico para um segmento comum, sobre um filho que nasceu de pai israelita. Da união carnal entre o Rei Salomão e a Rainha de Sabá. Enquanto essa união não é mencionada no relato bíblico, sobre a união entre os dois monarcas, ele tem uma longa tradição na Etiópia, um local sugerido da antiga Sheba.


Esse filho, chamado Menelik, diz que trouxe a Arca para seu país para manter-se seguro, de acordo com um conto preservado nas crônicas reais etíopes. Esta história também foi impulsionada pelos judeus, agora famosos negros da Etiópia, os falashas. Estes negros africanos, praticando uma forma muito antiga do Judaísmo, receberam a atenção internacional, quando uma ação militar israelense transportou-os para a liberdade de perseguições políticas em 1976. A Associação de Pesquisas da Bíblia não esteve envolvida em quaisquer esforços para recuperar a Arca Obviamente, seria um dos maiores artefatos de todos os tempos, entretanto a arqueologia não é uma caça ao tesouro e a Bíblia não precisa da Arca recuperado para ter provas precisas.

Não há certezas acerca de sua existência ou destruição. É possível que, antes de atear fogo ao Templo, os soldados de Nabucodonosor, tenham retirado todos os objetos de valor do local, incluída nesta ação de vândalos, poderia estar a Arca coberta de ouro e a carregada como uma espécie de prêmio pela conquista. Uma vez nas mãos dos babilônicos, ela pode ter sido destruída para obterem o ouro, ou conservada como troféu. Babilônia também foi conquistada posteriormente por persas, macedônios, partos e outros tantos povos, e seus tesouros, incluindo possivelmente a Arca da Aliança, podem ter tido incontáveis destinos. De qualquer modo, ela tem sido um dos tesouros arqueológicos mais cobiçados pela humanidade, e inúmeras expedições à Mesopotâmia e à Palestina foram realizadas, sem sucesso. Existem hoje em vários museus réplicas da Arca baseadas nas descrições bíblicas, mas a verdadeira jamais foi encontrada. Reforço aqui minha idéia e teoria de que esta visão adornada e coberta de ouro do receptáculo divino pode ser apenas como o tão cobiçado “Santo Gral” ou cálice sagrado que Jesus usou em sua última ceia.

Notícias recentes publicadas e veiculadas na internet não deixam este artefato cair no esquecimento, nem apenas ficar nas notas arqueológicas das prateleiras de estudiosos e escrivaninhas de pesquisadores da história sagrada. 


O Portal do Estadão Publicou Recentemente este artigo:

O patriarca copa ortodoxo da Etiópia, Abuna Paulos,  garantiu em Roma ter visto a Arca da Aliança, e que o objeto sagrado encontra-se "em bom estado de conservação". Paulos fez essa declaração durante a apresentação da construção, na cidade etíope de Axum, do Museu da Arca da Aliança, uma iniciativa de seu pontificado e da fundação  Chrijecllu, presidida por Makonnen Haile Selassie, neto do último imperador etíope.

"A Arca da Aliança está há três mil anos na Etiópia e continua ali, aonde chegou por meio de um milagre e onde continua pela graça de Deus", afirmou ele a jornalistas. O patriarca copta acrescentou que não pode dizer onde está a arca, mas que era capaz de garantir que já a havia visto e que ela corresponde à descrição dada na Bíblia.

"Não é feita pela mão do homem, é uma coisa que Deus abençoou para que assim fosse. Vi-a com um sentimento de humildade, não com orgulho", afirmou o líder religioso.

Paulos acrescentou que convidou o papa Bento XVI a visitar a cidade de Axum.

De acordo com a tradição copa etíope, a Arca, na qual foram guardadas as tábuas da lei dadas por Deus a Moisés, encontra-se na catedral de Tsion Maryam, em Axum.
A tradição etíope diz que o artefato foi levado a Axum pelo imperador etíope Menelik I, o lendário filho do rei Salomão com a rainha de Sabá.

Link da notícia e créditos AQUI



Teoria de Localização da Arca da Aliança

Bem mas isto de dizer, que ela esta agora aqui e outra hora ali, já vem de tempo, mas acredito numa verdade diferente, de todas estas linhas de raciocínio. Durante minha caminhada, atrás de “elos” de ligação, me deparei com algumas linhas de pesquisa. De repente, uma delas, cruzou exatamente no mesmo ponto da minha. Nesse momento um nome, talvez pouco conhecido de vocês, entrou na história - OAK.

 
A famosa e sinistra ilha, que conta a história comprovada, de um poço ao quais vários tentaram acesso e o máximo que encontraram no fundo foram camadas e mais camadas de piso, e madeiras com inscrições em diversas línguas. Muitos morreram ou faliram suas empresas e contas bancárias, tentando descobrir o misterioso objeto que lá é guardado e protegido por centenas de armadilhas naturais.  

Continua AQUI


Gério Ganimedes
Direitos Reservados - Projeto Quartzo Azul ©©


2 comentários:

  1. todo mundo esta errado a arca esta aqui em casa

    ResponderExcluir
  2. algo como esta arca deverias ser compartilhado com a humanidade talvez ajuda-se a melhorar o mundo,e trazer equilibrio

    ResponderExcluir

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...