sexta-feira, 30 de dezembro de 2011

Uma Viagem Inesquecível na Luz



Por Gério Ganimedes

Os “flashs” de luzes iniciaram no meu quarto, enquanto sonolento e ainda acordado, logo a freqüência do piscar foi aumentando e quando me dei conta tudo era luz. As vozes reverberavam, como um coral numa catedral dos sonhos. Parecia uma convenção de anjos, e eu estava ali presente, como um mero observador, assim como se minha presença fosse apenas acidental, transparente e imperceptível.

Colunas de luzes desciam do céu em forma de uma grande cortina teatral. Parecia mais um espetáculo cósmico, pois era isso que parecia, as estrelas e as nuances do universo se misturavam, as vozes, as luzes e aos anjos, como um show preparado apenas para entreter, mas as luzes podiam ser sentidas e tocadas. Dava pra sentir a textura, a densidade oscilante, enquanto as tocava, sons maravilhosos eram emitidos em ondas, soando como um grande órgão de tubos, vindo das estrelas. Os feixes de luz branca e azul se mostravam como “cipós” presos no céu, mas não podia ver seu fim. Sentia vontade de me abraçar aos feixes de luz e aquela vontade tomou conta de meu controle muscular, então meus braços contornaram um destes canais de energia cósmica. Foi então que a jornada, mais fantástica de minha vida se iniciou em meio a aromas e sensações de amor, misturadas à saudade e paixão. Vi o mundo expandindo em uma circunferência de plasma azul, vi e senti como sangue quente, correndo em minhas veias. A luz, um dínamo, que move nosso sistema planetário e toda a nossa galáxia. Vislumbrava tudo, e compreendia tudo, de uma forma como estando dentro do mecanismo de um relógio suíço, delicado e preciso. Uma alegria mágica tomou conta de meu corpo e alma. Estava dentro de um grande transportador, uma espécie de domo energético, com centenas e talvez até milhares de entidades que se transmutavam entre o sólido e translúcido. Todos emergiam, apareciam e transformavam-se através de barreiras invisíveis. O tempo parou por alguns instantes e neste momento os aromas inebriantes, como se milhares de frascos de essências fossem abertos, suspensos por uma sensação de prazer incontrolável. Senti desejo, senti amor, senti prazer. Meu corpo parecia estar eletrificado, fluindo pequenas centelhas que entorpeciam. Vi pessoas que se foram, vi pessoas que virão, vi dor e também vi sentimentos profundos de desejos contidos.

Neste instante pude ver que a dor, é parte do desejo, das vontades contidas em nós, e não realizadas, pelo controle emocional do medo.

A mensagem foi então compreendida. Para evoluirmos temos que liberar nossos mais profundos desejos, nossas vontades secretas, que adormecem pelo controle criogênico do medo, da dúvida e da não esperança, de que mudar, pode fazer-nos melhor, mais evoluído e mais completo. Uma verdadeira conjunção de espírito, buscando nossos desejos mais profundos. Senti que toda a verdade está dentro de cada um de nós. Devemos é realizar nossas vontades, extraindo as convenções que nos limitam dentro de nosso corpo.

Uma visão alucinante de planetas, luzes, rochas e estrelas. Tudo tem luz, energia e vida, dentro das possibilidades atômicas e construção arquitetônica harmônica do criador. A vida é adaptável como um arranjo orquestral, onde cada alma, cada coração invoca seu instrumento mais íntimo de vontade de progredir e caminhar em direção a luz, para compor a melodia celestial e a pauta de notas única de cada ser.

A mensagem transmitida durante a viagem foi clara em cada prisma de luz que surgia.



Todos agora devem se dar chance. Devemos aproveitar neste instante nossas mais profundas vontades e desejos. O momento é agora. As entidades celestiais unidas aos Ganimedianos, e eram várias, centenas, milhares, diziam em forma de música vibrante. Amem e se deixem amar, vivam cada segredo, que queiram viver, e sintam de uma forma diferente, libertem seus mais profundos desejos e amores contidos pela barreira da escuridão e do medo. Logo estaremos ligados por esta vontade imensa e incontrolável, mas para isso temos que ultrapassar barreiras, dilemas, dúvidas, receios, conceitos e convenções, contudo estas pedras colocadas, esta muralha de dificuldades é apenas humana e o que vai nos ligar é cósmico, divino e muito além das insignificantes criações e teorias humanas. Devemos realizar amar, abraçar gritar, para libertar o que nos sufoca e o que nos retira o ar que nos alimenta o espírito. Devemos nos deixar sentir, não questionando, duvidando, mas acreditando que tudo que está acontecendo é fruto e resultado de forças especiais vindas do criador. Ele, o grandioso universo, está nos dando à chance de agora definir nossa direção nas estrelas, os seres dizem: “Permitam-se amar e se aproximar da luz, assim a mudança será feita dentro do prazo da mudança”. “Aqueles que aceitarem as mudanças e souberem se dar a chance ultrapassar o muro das limitações, paradigmas e crenças, saberá viver a mais pura forma de amor do universo”.

O universo não se baseia em convenções, mas em troca e transmutação. Nós fazemos isto de forma egoísta, trocando apenas o material e o que é fácil de controlar. Eles disseram em coro: “Libertem seus desejos mais profundos, libertem-se das prisões internas, não tenham medo de mudar, de arriscar, pois tudo esta escrito, entre pontos brilhantes do cosmos”. As estrelas não são apenas pontos aleatórios de constelações e galáxias. Elas são as traçadas avenidas da vida de cada um de nós. O caminho de cada alma na Terra e em qualquer outra “unidade” de vida ou planeta do sistema. Então durante a viagem olhando para todas as estrelas e pulsares que encantou meus olhos pude enxergar a vida de cada ser, de cada integrante do universo.

A mensagem foi transmitida: “Amem sem medo, una-se à energia do universo, ultrapasse barreiras. Todos nós somos livres para fazer isso. Revele seus mais íntimos desejos e vontades”.

Amem e se deixem amar, sem medo sem restrições sem convenções que não fazem parte desta humana forma de viver. Os Deuses são amáveis, apaixonantes e guerreiros, e como fomos feitos a sua imagem e semelhança, devemos ser como eles. Não devemos permitir que convenções humanas que transformaram a interpretação da vida e dos sentimentos, terminem com nossa vida. Este é o fim dos tempos. Esta é a ruína do mundo. Não a destruição física de muralhas, edificações e monumentos de uma matriz ultrapassada e sem valor. Contudo, se permitirmos, que nos aprisionem dentro de nós mesmos, este sim será o fim. O fim imposto pelo medo e pelas punições, das ridículas convenções humanas, do que é certo e o que é errado.

O ser se ajoelha diante de mim num gesto de humildade e respeito e diz:

“Para você Gério de Ganimedes... O que é certo e o que é o errado? Baseado em que? Se souberes a resposta lhe darei todas as respostas e lhe passarei todo o conhecimento do que o universo me ensinou”.

Assim, naquele instante, ele se desintegrou diante de mim. As luzes se apagaram, os sons se atenuaram e eu retornei a minha cama. Não senti nenhum cansaço, dor ou reação. Senti, sim, um sentimento muito forte dentro de mim. Uma direção um horizonte iluminado. Um novo mundo que me espera e espera cada um de vocês.


Fiquem bem


Gério Ganimedes
Direitos Reservados – Projeto Quartzo Azul©©  

2 comentários:

  1. Fantástico, Gério, que assim seja.

    ResponderExcluir
  2. Muito bonito , mas , quantos Universos há?

    ResponderExcluir

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...